quinta-feira, 12 de julho de 2012

SACODE MEU POVO: O grupo de dança Jabuti Bumbá


“SACODE A SAIA QUE CHEGOU O JABUTI BUMBA”

Na noite de domingo, dia 18 de março de 2012, depois de passar meu domingo corrigindo a parte gramatical de dois textos de TCCs, fui descansar olhando o Facebook e o que vejo? Fotos e anúncios de que o Jabuti Bumba acabara de se apresentar no teatro Hélio Melo, este grupo maravilhoso de dança, que a colega militante, a guerreira Eurilinda Figueiredo tinha contado para nós que, desde 04 de março, estão se apresentando nos finais de semana – abrindo mão da vida pessoal – para levar ânimo, alegria e saúde para crianças, jovens, homens e mulheres desabrigado(as) pela cheia do rio Acre. Como na foto abaixo, com as crianças do SESC.


Falando da história deste grupo musical, o Jabuti Bumbá nasceu em 2005, pelas mãos organizadoras dos irmãos e artistas Silene, César, e Cícero Farias, um folguedo popular que mescla influências do Maracatu do Maranhão, do Boi-Bumbá dos Parintins de Manaus, das Pastorinhas, da Catira, do Vira e Cacuriá. Fazendo pesquisa na NET, quem gosta de pesquisas pode encontrar vários blogs que já noticiaram sobre o Jabuti, como a poeta Walquíria Raizer, em 2007 e Altino Machado, em 2006.
Os dançarinos do grupo têm um figurino com adereços, enfeites e vestidos de chitas e fitas coloridas, colares de sementes, cuias e coroas...    As músicas são bem alegres, ritmadas, com marcação cadenciada, cujas letras fazem referência àquela planta que dá origem a ayahuasca, bebida do Santo Daime. Dá gosto ver e ouvir as apresentações primorosas...

Walquíria Raizer, em seu blog, nos conta que as coreografias e as músicas do Jabuti-Bumbá se baseiam em passos do bailado do Daime, são criadas e recriadas pelos próprios brincantes do Jabuti, a cada encontro. O grupo contava com quatro puxadores e trinta brincantes permanentes em 2007.


Porque o Jabuti Bumbá apareceu? Porque foi criado? Quais são seus propósitos?

 Antes de mais nada, é preciso saber que o Jabuti é um símbolo de resistência - por ter um casco grosso e viver em média 80 anos. Por ser então um ser de vida tão longa entre os animais, o jabuti tem como inimigo declarado os destruidores da floresta. Por sua lentidão em se locomover, o pobre animal, juntamente com o bicho preguiça, tem sido uma das maiores vítimas das queimadas na floresta.
No imaginário popular, nosso jabuti guerreiro povoa as histórias como personagem vitorioso nos embates com a onça ou nas corridas com o coelho, famoso pela velocidade. Sendo assim, ele se torna no Jabuti Bumbá uma forma de resistência à destruição ambiental que sofremos aceleradamente nas duas últimas décadas. O Jabuti Bumba é uma voz de protesto, de luta pela diversidade e proteção da floresta, a favor da preservação de plantas, flores, árvores e animais silvestres, contra a devastação das matas para a criação dos grandes pastos de boi. Em vez de boi, somos o Jabuti bumbá, é o Jabuti e não o boi o nosso grande símbolo, do Acre. Boi lembra pastos, Jabutis lembram florestas, selva, mata...

O grupo Jabuti-Bumbá utiliza vários instrumentos musicais bem sonoros, tais como a sanfona, a zabumba, o tambor e os maracás – instrumentos feitos de lata, parecidos com um choqualho, deixando o som marcado e ritmado como na festa do Boi Bumbá, com estilo folclórico e música regional.
 O Jabuti-Bumba já se apresentou em diversos encontros de cultura popular por este Brasil imenso, tendo sido convidado pelo MINC, para desfilar e dançar na posse da presidente Dilma Roussef, em janeiro de 2011. A família Farias, criadora e incentivadora do Jabuti Bumba, tem referências rurais em suas raízes nordestinas. Na família, é grande a presença de artistas natos, dentre eles poetas, artistas plásticos, teatrólogos, artesãos, ourives, professores e sociólogos. Destarte, a trajetória dos Farias é marcada por um envolvimento peculiar e frequente com os movimentos culturais e agitações folclóricas/teatrais, na cidade de Rio Branco. Por ser mulher, destaco Silene Farias, autora de lindo poemas regionais...

Quem quiser conhecer mais, pode olhar vídeos curtos no You Tube, pode visitar a página do grupo no Facebook e melhor que tudo, ir prestigiar as apresentações do grupo, por diversos lugares de nossa linda e pitoresca Rio Branco. Visitem os links abaixo: