terça-feira, 4 de dezembro de 2012

SEPMulheres oferece apoio a mulher agredida dentro de supermercado


Vi isto hoje no Acre Notícias e coloco no Blog, porque é de vital importância estarmos alertas na luta de combate à violência contra a MULHER.

SEPMulheres oferece apoio a mulher agredida dentro de supermercado

E-mailImprimir
Estiveram no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) a coordenadora de Direitos Humanos da SEPMulheres, Joelda Pais, e a assessora jurídica Ariadne Santos, a pedido da secretária de Estado de Políticas para as Mulheres, Concita Maia, para oferecer todo o apoio necessário a Aline Tainá.
Aline, 22, levou oito facadas do ex-marido Francisco Jones Souza Araújo, com quem teve dois filhos, enquanto trabalhava em um dos caixas de um supermercado de Rio Branco, no último sábado. Segundo a mãe de Aline, Maria da Conceição, a filha estava separada fazia sete meses de Jones. “Quando ela arrumou um emprego, a situação ficou ainda pior. Ele seguia, perturbava, mesmo. Ela foi à Delegacia da Mulher fazer a queixa e recebeu a medida protetiva”, disse
“Infelizmente, nós não temos o controle da ação do ser humano. Por isso é importante que a mulher, depois de ter feito a denúncia, vá para a casa abrigo até que tenha certeza de que nada possa ocorrer”, explicou a coordenadora de Direitos Humanos da SEPMulheres, Joelda Pais.
“Ele não queria que ela trabalhasse de forma nenhuma. Agredia-a física e verbalmente. Depois que ela arranjou esse emprego, aí, sim, ele não largou mais do pé dela e aconteceu o que aconteceu”, disse Maria da Conceição.
Aline está internada e passou por uma cirurgia no intestino. Ela ainda não fala muito sobre o assunto. A mãe não sai de perto e responde por tudo até que Aline tenha condições de falar tranquilamente sobre o que ocorreu.
“Nós vamos acompanhar todos os procedimentos para ter certeza de que Aline terá os direitos que lhe são garantidos. Esse é o nosso papel: estar perto, estar junto, olhar e acompanhar. A nossa missão é orientar e mostrar o caminho que todas as mulheres podem e devem seguir", declarou a secterária da SEPMulheres, Concita Maia.